Climatologia

O que são as Nuvens no Céu?

Escrito por Thales Peixoto

De todos os fenômenos climáticos, as nuvens estão entre as mais fascinantes. Desde a suave cirros de alta altitude até a gigantesca e ameaçadora massa de cumulonimbus.


Além de sua beleza e capacidade de despertar a atenção, as nuvens podem fornecer uma indicação útil de que condições meteorológicas podem estar à caminho. Ao conhecer as dez principais classificações de nuvens, você poderá ter uma noção real do que está acontecendo na atmosfera.

Como as Nuvens se Formam

As nuvens têm suas origens na água que cobre cerca de  70% da superfície da Terra. Milhões de toneladas de água evaporam diariamente no ar por meio de oceanos, lagos e rios, e por transpiração de árvores, campos de agriculturas e outras vidas vegetais.

As nuvens são formadas na atmosfera através da condensação do vapor d’água presente no ar em forma de umidade. O processo de formação ocorre quando pequenas gotículas de água, mais leves que o ar, condensam-se e aglutinam-se. Quando esse processo acontece próximo ao solo, ocorrem os nevoeiros ou neblinas. Assim, sempre que as nuvens aparecem, há uma evidência visual da presença de água na atmosfera.

Ciclo da água até a precipitação.

Classificação das Nuvens

Existem dez principais tipos de nuvens, que são divididos em 27 sub-tipos de acordo com sua forma de altura, cor e tempo associado. As nuvens são categorizadas geralmente por onde se localiza na atmosfera: baixas – da superfície da terra até 2 km (Cumulus); Meio  – de 2,5 à 8 km (Stratus); Ou alta – acima de 8 km (Cirrus).

Todas as nuvens são realmente de cor branca, mas quando vistas do chão algumas aparecem cinza ou cinza escuro de acordo com sua profundidade e sombreamento da nuvem mais alta.

Tipos de Nuvens.

Os dez principais tipos de nuvem

  • Stratus – encontradas abaixo dos níveis da atmosfera, tendem a produzir uma leve chuva;
  • Altostratus –  encontradas no nível médio, tendem a ser muito boas como sistema de produção de chuva para grandes áreas em todo o Brasil, particularmente no interior;
  • Nimbostratus – formada quando a altostratus sofre um desenvolvimento vertical, permitindo que a nuvem prenda mais umidade, e fazendo com que a base da nuvem abaixe e produza um chuva mais pesada; Também aparece mais escura;
  • Cirrostratus – encontrada nos níveis mais altos da atmosfera, brancas e pequena, e feita dos cristais de gelo. Muitas vezes temos muita atividade de halo com nuvem cirrostratus, com os cristais de gelo refratando a luz ao redor da lua e do sol.
  • Cumulus – nuvem de baixo nível que tende a produzir em curta duração, precipitação bastante intensa que é muitas vezes muito localizada, o que significa que a chuva caindo em sua casa pode não estar caindo em um na casa de um colega a um quilômetro de distância;
  • Stratocumulus – encontradas nos níveis inferiores, uma mistura entre nuvem stratus e cumulus,  e

    Nuvem Cumulonimbus – Belo Horizonte

    assumindo aparências de ambos os tipos de nuvens, pode produzir chuviscos;

  • Altocumulus – encontrada nos níveis médios, geralmente e aquela que você usa a imaginação para observa-la (um grande exemplo é você enxergar uma ovelha no céu), pode produzir chuvas leves;
  • Cirrocumulus – pequena, ondulada, nuvem de nível mais alto, não produz precipitação;
  • Cumulonimbus – a maior nuvem de todas, forma na camada inferior da atmosfera, mas se estende através de todas as três camadas para o topo da atmosfera. Também conhecida como nuvem de trovoada, produzindo trovões e relâmpagos.
  • Cirrus – formada de cristais de gelo movendo-se muito rapidamente através da atmosfera, ocorrendo em temperaturas em torno de -40°C à -60°C, também não produz precipitação.

 

Traduzido por Geografando de Australian Bureau of Meteorology.

Sobre o autor

Thales Peixoto

Graduando em Geografia pela Pontifícia Universidade Católica. Estuda e desenvolve metodologias ativas de ensino utilizando principalmente as tecnologias digitais como ferramenta. Possui experiencia na área de Geociências, atuando principalmente nos seguintes temas: Geoprocessamento, Geomorfologia, Mapeamento e Planejamento Ambiental.

Deixe um comentário

2 Comentários