Textos Autorais

Parque Estadual Serra Do Rola-Moça – MG

Escrito por Gabriel Caldeira
Recentemente comecei a perceber a importância das “áreas verdes” em nossas vidas, ví que elas são muito mais relevantes do que achamos e muito mais belas e encantadoras quando vistas por dentro. Fui ao PESRM (serra do rola-moça) para caminhar e recolher algumas amostras de rochas afim de entender melhor como se deu sua formação e os processos que culminaram naquela gigantesca e linda paisagem, encontrei além dessas respostas algo que já mais esperaria ver, ou melhor, compreender! avistei naquele local um beija-flor de gravata se banhando nas águas límpidas de uma cachoeira, ao me ver ele se amedrontou e ficou sobrevoando no alto da floresta, pouco depois essa ave linda posou em um galho retorcido e ficou a me observar por uns 35 minutos, e eu, encantado com a ave fiquei ali por um bom tempo também, inclusive me sentei em uma rocha laterítica que havia por ali. Após esse período a ave percebeu que minha presença não traria risco e voltou a se adentrar na cachoeira, logo em seguida, outro exemplar dessa espécie chegou no mesmo lugar e também utilizou daquele espaço para recreação e eu continuei a observar.
     
  De repente já haviam se passado muitas horas e eu ainda continuava ali com o olhar ficcionado nas aves enquanto o Sol já estava dando indícios que queria ir embora, aliás de fato ele se foi. Ao anoitecer experimentei algo muito belo e indescritível, a floresta ganhou vida e tudo se transformou, as árvores conversavam ao soprar dos ventos, as águas bombeavam o sangue incolor pelas dependências da floresta e os animais cumpriam seus papeis na trama da vida exibindo comportamentos diversos. Para os ratos da cidade tal situação é incompressível e amedrontosa por colocar em cheque as incertezas e condicionamentos do comodismo humano atual, já pra mim é algo grandioso e sem igual.
  
    Mesmo que atualmente a sociedade não se encontre dentro da natureza (de um modo natural), ainda é possível afirmar que a natureza está presente dentro de cada um de nós, mesmo que não a percebemos, por isso convido a todos a se permitirem sentir novamente como pertencentes a natureza e não como proprietários dela. Em apenas um segundo sua vida poderá mudar completamente, por isso indico aos leitores deste texto inútil e mal elaborado a visitar uma “área verde” e descobrir como isso irá mudar sua vida!

att: Gabriel Caldeira

Sobre o autor

Gabriel Caldeira

Técnico Ambiental, Blogueiro, youtuber, adepto a esportes radicais em meio a natureza, professor de geografia e de vários cursos virtuais, atualmente está cursando Geografia na PUC Minas. Trabalha incansavelmente, para promover o compartilhamento de informações relevantes na rede, escreve, grava, edita e compartilha todo tipo de coisa que envolva a geografia.
É aspirante a documentarista, engajado nas causas ambientais e sempre caminha no sentido da inovação.

Deixe um comentário

Adicionar Comentário

  • Obrigado pela partilha da experiência.
    Estou certo de que muitos partilham desse sentimento vivido no Parque do Rola-Moça, mas nem todos o compreendem ou conseguem exprimir tão bem por palavras.
    Reconhecer que fazemos parte da Natureza ao invés de estarmos fora ou acima dela, é um grande passo para nos compreendermos melhor e nos tornarmos seres humanos melhores e mais completos.
    Vá nos partilhando as experiências nessas caminhadas. Há sempre alguém a ler e alguém a quem inspirar. 😉

    Abraço!